Featured

Decoding Memories

One thing we are not accustomed to think about is how important our memories are in shaping who we have become. Memories drive our decisions, feelings, and thoughts. Let us set aside all books you have read and phone numbers you have memorized for a moment. Think about things you have seen, heard or experienced, and that gradually formed your concept of the world that surrounds you.

When living a moment, your senses capture everything you perceive – either consciously or subconsciously – and store it as attributes of a memory. When asked about an event in your life, you will bring up a memory composed by the characteristics you perceived: the strength of the wind, the smell of the water, the color and brightness of the light in the sky, the taste of a meal, etc. The stronger these attributes are, the deeper your memory will register that event. This is also true the other way around: the more meaningful an event is for you, the easier it is to remember what you have sensed.

However, memories are not composed only of whatever your senses captured. It is essential to understand the importance that people and things play in an event; I call them “actors.” In the first stage, everything you perceive seems just like part of a whole landscape. Next, your brain starts to identify individual pieces of that landscape, and they can be a person, a tree, a dog, a car, a building, a song, a couple, or anything else. Your brain then directs your perceptions to these actors individually and links everything your senses captured to such actors, finally storing it as a memory. Think of the importance of first impressions; they do not relate to people only, but to anything that you experience for the first time. That is the moment when actors begin to exist for you, and that will be how you stored that memory.

All of the moments that you experience are composed of as many actors as you perceive – or I could say, “create.” As I mentioned before, the more relevant an event is for you, the deeper your memories of each actor will be. You may not remember a bad service you received from a waiter ten years ago when dining alone, but if that was a great dinner with a friend, chances are that you will even remember the waiter’s face. Some people will have more difficulties in selling a car than others because of the feelings they have for it. Maybe that car was an actor in important events such as driving special family members – also actors – somewhere. Those people, when talking about their car, will mention times when they drove it, and someone or something especial was also present.

The amount of times events occur also contribute for the importance of memories. In the previous example, the car was an important actor because it participated in especial events. Even one single moment could have made that car meaningful, depending on the relevance of that occasion. However, you strengthen your relation with actors as you keep storing more memories involving them.

People die around us all the time, but why don’t we care? It’s not that we do not care, but we have a few or zero memories involving those people. Some people seem more especial to you than others due to the strength and amount of good memories you have stored and which involve them. I have already lost family members of whom I have just a few memories. It is an odd sensation to know that I am not as impacted with such a loss as other members of my family are, but I can imagine how profound it would be for me losing someone with whom I have grown.

There is a reason why we say that “time will heal”: as time moves, memories start to fade. Therefore, events we once experienced and that had bad impact in our lives start to lose importance as the memories about them lose their details. While that still do not happen, we make decisions based on avoiding the same type of circumstances, so we do not pile over bad memories.

In the other hand, we seek events that allow us to relive the sensation we had and that will store more good memories about them, especially if they involve the same actors. Some therapies today work on erasing or rewriting memories that an individual once stored and that today haunt them. Some memories are easy to recall, while others are carved deep into the subconsciousness but still play a big role in determining one’s actions.

I am almost sure that you already had – or will soon have – the moment when you look back at your life and tell yourself “wow, time flies! I am getting older!” When you do, have in mind that you will have just realized that your memories shaped everything you are and that you are afraid that time will not be enough for you to relive memories like those ever again.

I confess that my biggest fear today is not losing what or whom I have with me, but losing memories I have built with all of them.


Note: this is an individual article based on observation, introspection, and previous studies. It is not intended to be linked to or refer to any theoretical material or other publications although similarities may exist.

10 New Year’s Resolutions from Neuroscience

A few people have asked me why in the world I’ve been studying Neuroscience, since I’m not going to become a doctor or work with patients with brain disorders.
Valid point.
There are many reasons for that, but a gratifying one helped me form my “New Year’s resolutions” for 2017.

I came up with 10 things to do/not do in 2017 based on what I’ve learned from Neuroscience (Medical and Cognitive) so far. I know we’re in April already but I thought I should share it anyway.
Of course the explanations are way more complex than what I will write here, but I’ll try to simplify them. The conclusions are mine though – so, don’t blame any researchers or authors.

1 – Smile more frequently, even when it’s hard to do so,
because feelings arise through the perception of the state of our body. We all know that feeling good about something makes us smile, but smiling also makes us feel good.
If I try to smile more often, I am retaining that state in my memory for a little while, so I will unconsciously do the next things feeling good. Even though a genuine smile and a forced smile are activated by different areas of the brain, the action of smiling will be reinterpreted by your brain as a consequence of external experience which will then be transformed to emotion.
Thus, when feeling bad, just try to smile more and notice the difference.

2 – Smile more to affect others,
because that will activate other people’s mirror neurons.
When we see others waving, or dancing, or doing any motor activity, some neurons in our brain called mirror neurons are activated, trying to reproduce the same movements performed by another person. You may wonder why you automatically raise your eyebrows when someone is giving a speech and they raise their eyebrows, or why a baby tries to reproduce your expressions or movements.
Therefore, if I smile more, others will unconsciously smile, or at least activate their mirror neurons to do so, and maybe that will even retains that state in their memories, making them feel good – like said on resolution 1.

3 – Avoid negative people,
because negative comments will be stored in my brain even if I don’t want to, if I consciously try to ignore them.
My brain will work in the background for a long time after the time I heard those bad comments. So, even if I consciously try to be a good person, my unconscious brain does not know the difference between good and bad and will try to learn from and accommodate the information it acquired along the rest of my knowledge.

4 – Give more respect to teenagers and young adults,
because they’re forming their view of the world, and I am responsible for helping their learning.
Our brain keeps developing after our birth. People in their teens or early 20’s are still developing the last area of the brain, the prefrontal cortex, an area responsible for social interaction, norms, and decision making.
When they do “crazy” things, it’s not because they are not “as responsible as I always was.” They need to know how far they can go to transform the world and be transformed by it. I don’t want to shut down brilliant minds by saying “No, you cannot do this” or “No, this is impossible.” I want to actually learn from them how far I could have gone and use that to transform myself, and I also want to remind myself to be an example, teaching through my own actions. Remember the mirror neurons?

5 – Stop considering my past and the previous generation always better then the current one,
because memories are flawed.
Memories, specially long-term declarative episodic memories (memories of events you can consciously recall), are stored throughout the brain in the same areas that are activated when the experience actually happened. However, every time I recall that memory I bring it to consciousness, and remember the not-so-great details, then mixing them with the experience I am having at that present moment, and store it again now with different details. The next time I try to recall that event, it will have those different details and some missing facts. My brain will try to fill in the missing gaps with a reasonable story and store it again mixed with my present experience.
Thus, even if my past was not as great as it really was, I will always recall it as perfect, nostalgic, and ignore the fact that it actually is the result of the experiences of every time I recalled such a memory – besides the fact that in many occasions a memory is unconsciously activated by other memories and may be altered even without my knowing it.
Everyone will always say that things used to be better before.
However, I want to have a better sense of reality to always enjoy and appreciate the present.

6 – Listen more so I can learn about the world from others,
because my brain does not know by default what is true or false, what exists or not.
I’m born with a little box called brain, with little to no knowledge of the world other than the experiences I acquired throughout my mom’s pregnancy.
All I hear, see, touch, smell, taste, sense, and learn is becoming “The World” to my brain. My brain cannot comprehend the world outside of the synaptic connections it has made. Daniel Kahneman calls this phenomenon WYSIATI: What You See Is All That Is.
Thus, when I don’t listen, I prevent my brain’s ability to integrate different experiences with the stored memories of my concept of world. If I listen, even if I know 95% of what is being said, my brain will know how to capture the other 5% to form new synapses with that.
The human battle for who has more knowledge, you or me, is nonsense. Of course you know better about the world than me, because you know everything about “your” world. I know everything about mine.

7 – Not judge other religions or churches,
because our brains look for stories to fill in the gaps and we’ll always have an interpretation better than the others have – creating reasonable stories is what our left brain does very well.
Resolutions 5 and 6 summarize the concept of filling the gaps with reasonable stories, and believing that the knowledge we have is everything that exists. It is very easy to consider myself having better knowledge, interpretation, history, and experiences than anyone else from any other religion or church even without listening to them or trying to understand them, because my brain tells me I don’t need it. There is nothing beyond what I know. Also, my brain will take care of filling the gaps of things I don’t know, creating stories I can use to argue my beliefs.

8 – Stop watching movies when I see they use “unintended” racism or things like Islamophobia, homophobia, etc.,
because, again, my brain does not know that isn’t true.
When racism in a story is intended, I consciously tell my brain this is a bad thing so it sets the goal for a better judgement and knows how to classify something as false.
But when a movie uses a stereotype without making it clear, such as a Muslim as the bad guy or a black guy as a criminal, even if that depicts an “isolated case”, my brain will interpret that as common and work on that information behind the scenes. The more I watch, the more common it becomes, and I don’t want to unconsciously believe that Muslims are terrorists, or that there is any bad in African-Americans.
Using “Stereotypes” is a way our brains deal with danger and help us survive. If good things happened often to you when you ate green apples, the safer and pleasant your brain will consider such a fruit, but if you were bitten by a spider and that was bad, chances are that you will avoid any type of spider later on.
However, the negative thing about this is that I don’t need to have a specific experience to make my brain believe something is true or false. Repetition of a fact is enough.
If I hear too many times that people are dying of spider bites, that will become true to me easily, and that will trigger a stereotype.
Thus, if you repeat over and over that Brazilians are all ignorants for example, people will believe because of the repetition, and believing it will help create the stereotype, which in turn makes people believe even more and then propagate such stereotype through more repetition. Complex, I know.
So the best I can do is force myself to stop watching a movie in the middle.

9 – Appreciate diversity more,
because our brains are unique.
Our brains are formed by nature (DNA), nurture (experiences), and self-organization. A small single difference can cause a huge impact in the way our brains work and how we interpret the world. They differ by anatomy, number of synapses, excess or lack of hormones or neurotransmitters, small lesions, etc. Less dopamine may affect the way we move, issues in the left hemisphere can cause depression, we may also be affected by blood pressure, or have different sense of smell, lack of attention, see different colors, interpret sounds differently, have distinct sensory experience due to the way the spinal cord was formed, etc, etc.
Thus, it’s impossible to demand that everyone be and think like me.

10 – Appreciate the goodness in people and things more often,
because we tend to see bad things more frequently than good things.
When a person is good to me, my brain consider them as harmless and treat their actions as expected behavior. All the many good actions that this person takes will go unnoticed to me, sometimes even discarded by my memory cause they are not relevant to be stored since that person is “safe”. But if their behavior one day goes against that expectation, it breaks the “norms” and causes a surprise, calling my brain’s attention. That is stored as a “threat.” No wonder why a simple bad thing can overwrite many other good things they have done to me.
“Availability Bias” is the fact that our brains judge something to be true or not due to how easily it can find information about it.
If my brain cannot easily find many good events, that may be interpreted by it as “that person therefore is not good.”
Tricky, but I want to use that consciously and overwrite the bad things with the good in people.
The prophet Jeremiah once wisely said that “the heart is deceitful above all things.”, and by “heart” there he meant “mind”.

Lessons for life

I have recently replied to a comment online and I believe it’s worth it to share it in my blog, since it may help others as well.

These are some lessons I learned in life, and which I’m still learning and trying to accomplish every day. That’s not an easy task, but it’s rewarding to put them into practice whenever possible. They are valid for everyone, consider yourself a believer, an atheist, christian, Jew, scientist, skeptic, agnostic, etc.

These are my pieces of advice (not rules, just advice):

  • never reply to an argument without first reading, reflecting, and using it against yourself:
    we many times have the tendency to quickly reply to others based on our own knowledge, because “we already know the answer”, and that question goes against our beliefs;
  • there will always be someone who knows better than you:
    even if we know a topic extremely well, there will always be (no exception) someone who has wider knowledge about the same topic (no, I’m not talking about myself). There’s no living person in this World who knows everything about all subjects. That’s why many scholars from several different areas work everyday as a team to share all they know so that together they can get to a tiny percentage of the truth. This is only possible when everyone admits they cannot master knowledge. Someone very wise may have given you knowledge (pastor, priest, scientist, professor, rabi, parents), but someone gave it to them, and someone else gave it to this person, and so on… and someone may be wrong along the way;
  • never put everyone into the same group:
    we are diversified, we have different experience, distinct knowledge, and different cultures. When we say “the atheists”, or “the Christians”, we ignore the fact that many atheists greatly differ in opinion, as well as many Christians don’t agree with each other and share similar thoughts to the ones of atheists, or Jews, or Catholics, etc. Thus, avoid generalization, specially if you don’t know the person you’re talking about very well;
  • no matter how much of a believer or an atheist are you – or any other religion or denomination -, you are a human being and share the same planet with others; thus, it’s your obligation to respect and to care about others:
    this includes not mocking nor despising others because of what they believe. Some people do it in a very low level, thinking and talking to themselves, while others use social networks to make comments (where they can be straightforward without compromising their integrity – and safety). There are, though, people who go to a much higher level: when they have power, they turn this point into wars, or inquisitions. However, people are important! We all are!
  • knowledge is nothing without wisdom:
    wisdom is knowing how to deal with knowledge, or simply not using it. Many times the wisest thing to do is to stay quiet;
  • consider yourself wrong as much as possible:
    when we consider the possibility that we’re wrong, we open our minds to correction and to complete what is missing. If you believe in God: “God will show you more about the truth if you let Him do it (don’t worry, God will not blame you for questioning Him).” If you don’t believe in God: “your work will have greater enlightenment and a larger space for facts. If you’re indeed right, this exercise will be worth it anyway.”

These points apply not only to beliefs and religions, but to all areas in life, including politics, medicine, family, etc.
By following them, I strongly believe that the life of many will be better: not only of those who follow such points, but also of those who surround them.

Lições para a vida

Recentemente respondi a um comentário em uma discussão online e creio que seria pertinente compartilhá-lo em meu blog, pois pode ajudar a outros também.

Essas são algumas lições que aprendi na vida, e que ainda estou aprendendo e tentando executar diariamente. Não é fácil, porém é bom praticá-las sempre que possível.

Elas são válidas para todos, considerem-se crentes, ateus, cristãos, judeus, cientistas, céticos, agnósticos, etc.

Aqui vão os conselhos (não regras, porém conselhos):

  • nunca responda a qualquer argumento sem primeiro ler, refletir, e usar isso contra si mesmo:
    muitas vezes tendemos a responder a pessoas rapidamente com base em nosso conhecimento, pois “já sabemos a resposta”, e a questão vai contra o que acreditamos;
  • sempre haverá alguém que sabe mais do que você:
    por mais que saibamos bastante sobre algum assunto, sempre (sem exceção) haverá alguém que terá maior conhecimento sobre o mesmo tópico (não, não estou falando de mim). Não há absolutamente ninguém neste mundo que saiba tudo sobre todos os assuntos e, por essa razão, muitos estudiosos de diversas áreas trabalham em conjunto para compartilhar tudo o que sabem a fim de que juntos cheguem a uma mínima porcentagem da verdade. Isso só se alcança quando todos reconhecem não ter domínio total do conhecimento. Alguém sábio pode ter lhe passado conhecimento (seja pastor, padre, cientista, professor, rabi, pais), mas alguém passou a ele/ela, e alguém passou a ele/ela… e alguém pode estar errado no caminho;
  • nunca coloque pessoas dentro de um único grupo:
    somos diversificados, temos experiências diferentes, conhecimentos diferentes, culturas diferentes… ao dizermos “os ateus”, ou “os crentes”, ignoramos que muitos ateus diferem grandemente em opinião, assim como muitos “crentes” não concordam entre si e compartilham pensamentos idênticos aos de muitos ateus, ou judeus, ou católicos, etc. Evite generalizar, especialmente quando você não conhece a fundo a pessoa sobre a qual está falando;
  • não importa o quão crente ou ateu – ou qualquer outra denominação – você é, você é um ser-humano e compartilha o mesmo planeta; logo sua obrigação é respeitar e cuidar dos outros:
    isso inclui não zombar ou menosprezar os outros por causa do que acreditam. Alguns fazem isso em níveis baixos (falando consigo mesmos), outros usam comentários de redes sociais (onde podem ser mais diretos sem se comprometer), mas outros levam a níveis altos e às vezes extremos: quando se tem poder, isso torna-se em guerras ou inquisições. Pessoas são importantes. Todos somos;
  • o conhecimento não é nada sem sabedoria:
    sabedoria é saber como lidar com o conhecimento, ou simplesmente não usá-lo. Muitas vezes o mais sábio a se fazer é ficar em silêncio;
  • considere o máximo possível estar errado:
    quando consideramos a possibilidade de estarmos errados, abrimos a mente para corrigirmos e completarmos o que está faltando. Para os que acreditam em Deus: Deus lhe mostrará mais a verdade se você deixar (não se preocupe, Deus não lhe culpará por você o questionar). Para quem não acredita: seu trabalho terá uma maior luz e maior espaço para os fatos. Se você estiver certo, o exercício terá valido muito à pena.

Esses pontos não se aplicam somente a crenças, religiões e afins, mas a todas as áreas da vida, incluindo política, medicina, família, etc.

Seguindo esses pontos, creio que a vida de muitos será melhor: não apenas a de quem os segue, mas dos que estão ao seu redor.

Como aprender inglês sozinho

Greetings!

Tem sempre muita gente que me pergunta como se aprende inglês sozinho, sem fazer aulas.
Eu não sou um professor, mas não é por isso que não posso dar dicas.
Talvez algum professor discorde, até mesmo porque alguns ganham com isso, e outros têm diferentes pontos-de-vista.
Concordo que cada um tem o seu jeito e sua opinião.
Entretanto, não custa dar algumas dicas que talvez funcione para você como funcionou para mim.
Estou escrevendo esse post agora justamente porque alguém é capaz de dizer: “poxa, para você é mais fácil porque você está nos Estados Unidos”.
Eu recém cheguei aqui, logo o que eu aprendi foi antes de vir para cá (até mesmo porque sem inglês não daria para vir).

Algumas pessoas questionam: “é difícil aprender inglês sozinho, ser autodidata. Eu não tenho força de vontade para isso”.
Olha, se você não tem força de vontade para aprender sozinho, não é pagando por duas horas de aula por semana que vão te fazer ter força de vontade.
É essa força que vai fazer você aprender. É preciso ter objetivo para aprender as coisas.
Aprender só por aprender faz você esquecer facilmente e ainda ficar confuso quando usar isso ou aquilo (como por exemplo as aulas de colégio, que são um tédio e a maioria dos alunos são obrigados a estudarem o que não têm ideia de por que e quando usariam aquilo tudo).
Mas se você ama ajudar pessoas e quer ser médico para salvar suas vidas, você vai se matar para passar no vestibular porque não vê a hora de estar estudando tudo aquilo.
Se você ama uma chinesa, garanto que aprender mandarim vai ser facinho.
Então, se você quer aprender inglês só porque não tem nada mais a fazer, sinceramente não perca tempo com isso.
Porque de 10 horas estudando, talvez 10% vão ficar na sua memória (se ficarem), e você poderia usar os outros 90% com coisas mais produtivas.

As dicas que vou dar não estão em ordem. Apenas siga-as da forma que você quiser e puder. Umas serão mais fáceis que as outras no princípio. Depois tudo fica mais tranquilo.
Então vamos às dicas:
1 – ouça músicas em inglês lendo a letra junto e tente imitar o cantor.
Seja chato consigo mesmo. Você está lendo uma coisa que nunca leu antes, umas letras que nunca viu antes (pasmem, o K, o W e o Y já são parte do alfabeto português para quem não sabe!).
Primeiro tente acompanhar com o olho a letra que o cantor está cantando.
De preferência escute um pop, ou algo mais compreensível (não escute Death Metal, por favor).
Ouça a mesma frase várias vezes. Imite exatamente o que o canto está cantando.
Vai ficar diferente? Vai! Por isso você vai SEMPRE se empenhar para melhorar, para ficar cada vez mais parecido.
Esqueça a tradução da música, foque apenas nos sons.
Faça isso com mais músicas, de preferência de bandas diferentes.
Alguns cantores gostam de enfeitar e mudar a pronúncia das palavras.

OBS: agora alguém pode questionar: “não é ruim ver várias pronúncias diferentes da mesma palavra, mesmo ainda mais não sendo pronunciado certo nas músicas?”
Não.
Quando você ouve bastante, seu cérebro acaba guardando aquilo que você ouviu automaticamente sem você precisar conscientemente memorizar.
Depois te tanto ouvir, quando você for falar, o seu cérebro acaba tentando reproduzir o que você já tinha guardado. Não vai sair igual, mas, acredite, sai cada vez melhor mesmo sem você nunca ter falado isso antes.
Outra coisa, quando você ouve diferentes pronúncias da mesma palavra, você logicamente acaba entendendo o porquê de aquela palavra ter a pronúncia daquela forma.
Senão você fica preso à pronúncias quadradas, como: “eu aprendi que nos States as pessoas não falam email igual nós aqui no Brasil= imeio. Lá eles falam imél”.
Assim, você sempre vai falar imél, o que vai ser feio pra caramba, porque não é imél que se fala. É diferente. Assim como “amor”: Love. Alguns vão dizer que se pronuncia Lâv e outros vão dizer que é Lóv.
É um som que não tem como reproduzir no português.
Para entender melhor, vai a segunda dica.

2 – Esqueça comparações
Não tente comparar o inglês e o português.
Tem gente que tenta transliterar as palavras.
Transliterar é quando você pega o som de uma palavra em outro idioma e tenta escrevê-lo no seu idioma.
Por exemplo, a palavra em inglês “Smile” você transliteraria como algo do tipo: “Ismáiou”.
Ao fazer isso, seu cérebro não vai memorizar o som em inglês, mas a reprodução do som em português.
Com o tempo você vai ser um brasileiro com um inglês gramaticalmente correto, mas com o sotaque típico brasileirão.
Quando você ouve alguém na rua falando “Hello”, de cara já percebe: “esse é brasileiro!”.
Se você não se preocupa com o sotaque, ignore essa dica.

3 – Fale consigo mesmo em inglês
Sempre que possível pense em inglês.
“Como?! Eu mal sei inglês, como vou pensar em inglês?”
Você não precisa ser expert para se forçar a pensar em inglês.
Se fosse expert, já pensaria naturalmente.
Nós estamos sempre pensando em algo.
Quem é brasileiro, nativamente está pensando em português.
Se você está andando na rua, provavelmente está igual a um louco conversando consigo mesmo em português (em pensamento, claro).
Tem uns que falam em voz alta e parecem ainda mais loucos. Eu ainda não cheguei nesse nível. =)
Não importa se você está errado, se está montando as frases todas erradas.
O importante é você fazer seu cérebro começar a tentar pensar em inglês.
Uma criança brasileira cresce pensando. Aos poucos ela vai pensando em português, mesmo que seja tudo errado.
Mas ela aprende com o tempo. O importante é você começar a pensar.
Como fazer isso?
Conte a você mesmo como foi o seu dia, ou quais são os planos para hoje. Seja criativo.
Haverá palavras que você não vai saber, talvez muitas, talvez todas. Não tem problema.
Tente expressar de outra forma. Anote a palavra que não sabe ou memorize e depois procure no dicionário, mas não esqueça a dica 5 em relação a isso.
Sobre falar do jeito certo, você vai aprender nas outras dicas à frente.
Quando possível, se estiver em casa, fale em voz alta o que está pensando em inglês.
Isso vai ajudar o seu cérebro a praticar o som que havia guardado.
OBS: uma observação que considero importante aqui é: sempre que estiver pensando em inglês e tentando falar algo em inglês na rua ou qualquer outro lugar, evite olhar para frases escritas em português ou ouvir pessoas falando em português perto, ou ouvir o som da televisão ligado em português.
Senão isso faz o seu cérebro lembrar-se de que você ainda é nativo no português, e lhe confundirá quando tentar pensar em inglês.
Isso é normal acontecer com qualquer um. Mesmo que você seja fluente em 3 idiomas, se está falando em inglês e alguém fala duas palavras em espanhol no meio, você continua a resposta em espanhol. Se falar em português e alguém fala uma palavra em inglês ou você leu uma palavra em inglês, automaticamente você acaba pensando em inglês.
É como seu cérebro desligasse um idioma e ligasse o outro.

4 – Assista a filmes com legendas em inglês
Muito importante. Assim como a música, você vai praticar o som das palavras à medida que os atores pronunciam.
Dê pausa, volte, assista de novo. Tente imitar.

5 – Assista a filmes sem legendas
Ao assistir um filme sem legendas (um filme em inglês, óbvio!) você pode não entender nada do que estão falando.
Mas se você assisti-lo algumas vezes, você começa automaticamente a ligar o som às ações.
É assim que acontece quando você é criança. Você não aprende a escrever “MESA”, a pronunciar “MESA” e colar um papel na mesa para lembrar que é uma mesa.
Você simplesmente aprende depois de ouvir seus pais falarem várias vezes aquela palavra ao mostrarem a mesa, servirem você à mesa, ou qualquer outra coisa relacionada à mesa.
Você aprende com imagens e ações.
Logo, assista a vários filmes, várias vezes, até que em um momento você mesmo já saberá decor a fala de um ator em alguns momentos.

6 – Leia livros em inglês em voz alta
Pode ser jornal, artigos, etc. Mas prefiro livro porque é grande. Você pode baixar em PDF.
Use a lógica!
Você não sabe como pronunciar uma palavra. Não tem problema, invente.
Você percebeu que alguns cantores, quando cantavam uma palavra que terminava com Y , pronunciavam-na como “Uai”.
Por exemplo, “Why are you here?”. Ou “Deny” (pronunciando algo como denai).
Então você acha que todas as palavras que têm Y serão pronunciadas assim. Não tem problema, pronuncie errado mesmo ao ler o livro.
Alguma hora você vai perceber ouvindo outra música ou assistindo a um filme que muitas palavras com Y são pronunciadas apenas como “i” (spicy, vary, very, etc.).
Aí começa a ficar interessante e seu cérebro começa a filtrar mais quando você ver outras palavras com Y.

7 – Não traduza, entenda
Eu diria que esta é uma das principais, se não a principal, dica.
Não viva, não coma, não engula, não respire o dicionário.
Deixe ele ser apenas uma ferramenta.
Ao procurar pela tradução de uma palavra em inglês, veja as diversas traduções que ela pode ter em português e tire suas próprias conclusões.
Vou tentar dar um exemplo. A palavra “Turn” tem diversas traduções: volta, curva, virar, transformar, alteração, ângulo, etc.
Se você fizer a lista e tentar ver qual delas se encaixa na tradução daquela música ou livro, muitas vezes pode acabar usando a palavra errada.
A dica é, tente ler todas as traduções e pegar um sentido lógico de todas elas.
“Turn” em resumo quer dizer algo que se vira, que muda sua direção. Não é uma tradução, mas uma compreensão de como o objeto poderia se comportar.
Assim, ao ler um texto você pode perceber, conforme o contexto, o que a palavra quer dizer.
“He made a turn…” = ele fez uma conversão, virou-se para alguma direção, fez uma curva…
“Turning left…” = virando à esquerda…
“Turn on…” = fazer com que algo seja ligado (ou seja, mudou o sentido, pois antes estava desligado)…
“You will turn into a great musician…” = você tornar-se-á em um grande músico…
Essas não são necessariamente as traduções que você escreveria oficialmente, mas você está apenas entendendo a ideia do texto.
Mais para frente você mesmo pode usar a palavra do seu modo quando precisar expressar algo neste sentido.
Você já viu a lista de traduções da palavra “Get” no dicionário? No google translate tem muito menos do que num dicionário comum.
Eu sempre me batia com a tradução dessa palavra, pois são muitas expressões que a utilizam e que eu teria de decorar.
Mas a ideia não é decorar traduções, mas compreender a ideia.
Eu tentaria explicar a ideia de “Get” como “Colocar” algo em algum lugar ou em alguma situação.
“Get a car…” = conseguir um carro, mas poderia ser compreendido como colocar aquele carro à minha disposição
“Get into the house…” = entrar na casa, mas poderia ser entendido como colocar-se dentro da casa
“Get off the bus…” = sair do ônibus, descer do ônibus, podendo ser visto como colocar-se fora, longe do ônibus
“I’m getting nervous…” = estou ficando nervoso, ou seja, estou colocando-me nervoso…
Parece estranho, mas “sinta” o que a palavra quer dizer, não apenas veja o significado no dicionário e a traduza.
Entendeu? Got it?
Por isso eu repito mais uma vez: SEMPRE use a lógica.

8 – Faça amigos que você nunca teria
Umas coisa que me ajudou bastante com o inglês foram as amizades.
Eu lembro em 1997(acho que era por aí), quando estava usando o ICQ (que por sinal ainda existe. Também utilizava o mIRC, que também existe).
Tinha amigos do Brasil na minha lista e eu descobri que dava para procurar por pessoas apenas especificando o país.
Procurei por pessoas da Europa e da Ásia. Comecei a conversar com elas (e lembro-me até da época quando meu pai questionou o uso do programa, porque sairia cara a conta do telefone por estar falando com alguém de outro país, já que a internet funcionava pelo pulso telefônico).
Eu não sabia nada de inglês, mas escrevia errado mesmo. Usava dicionário direto pois meu vocabulário era Zero!
Fiz o mesmo quando conheci alguns americanos que iam ao Brasil de tempos em tempos e eu acabava fazendo amizade.
Eles ficavam poucos dias no Brasil, mas era suficiente para eu me aventurar no novo idioma.
Na época que eu comecei a conversar na internet, foi quando eu aprendi diversas gírias inclusive.
Hoje você pode utilizar redes sociais para conhecer pessoas de outros lugares.
Eventualmente você pode se aventurar a falar por áudio com essas pessoas.
Isso vai ajudar bastante a você perder a vergonha. Muita gente só vai querer conversar com algum estrangeiro depois de fazer 3 anos de aula, aí vai descobrir que na verdade não sabia nada!

9 – Peça para ser corrigido
Tudo isso ajuda. Conversar com outros realmente vale a pena.
Mas para fazer mesmo valer a pena, você precisa ter humildade suficiente para reconhecer que seu inglês é ruim mesmo.
Peça SEMPRE para as pessoas lhe corrigirem quando você estiver errado.
Obviamente eu não conseguia falar uma palavra direito quando conversava na internet. Me corrigiam todo o tempo, mas quando eu escrevia a mesma coisa, já sabia como escrever.
Fui aprendendo aos poucos.
Tem gente que só não lhe corrige porque acham que estaria sendo chato se fizesse isso.
Mas se você der a oportunidade, eles vão parar você sempre que cometer um erro.
Seja na pronúncia, na gramática ou escrita.
Tudo vai depender do nível de liberdade que você dá às pessoas.
Se você já tiver uma pronúncia muito boa mas mesmo assim pedir para lhe ajudarem com isso, vão lhe parar mesmo que seja num mínimo detalhe.

10 – Converse com alguém que queira também aprender inglês
Sempre tem algum amigo que quer aprender inglês também.
Vocês dois ganhariam muito se ambos conversassem (ao menos tentassem) em inglês.
Entretanto, existem duas barreiras para isso.
Vergonha. Essa é a primeira barreira. As pessoas são muito envergonhadas para falar em inglês. Primeiro porque acham que vão falar tudo errado. E vão mesmo, mas é por isso que se pratica, para aprender. Segundo porque num país onde a única língua é o português, ninguém fala outro idioma direito (nem mesmo o próprio português), todos olham para você de um modo diferente se falar uma palavra em outra língua.
Outra barreira acontece por exemplo quando você está numa empresa onde você e seus colegas estão loucos para aprender bem o inglês. Vocês iriam gostar muito se pudessem reservar um dia da semana para conversar somente em inglês.
Só que isso não vai acontecer. Porque acontece de naquele dia vocês precisarem resolver um problema urgente, e precisa falar com outra pessoa sobre isso.
Depois da sétima palavra você já está demorando muito pra se expressar e está ficando nervoso por não conseguir resolver o problema urgente.
Aí começam a falar em português mesmo e azar.
O tal dia não funciona e vocês desistem.
Eu creio que se não sabe, tenta expressar de outra forma, mas desistir não é o caminho.
Depois que você se mudar para um país de língua inglesa, ninguém vai esperar que você pare a frase no meio para se expressar em português, você terá de se virar do jeito que for.
É por isso que diz-se que depois que você vai morar fora é que você aprende bem o inglês mesmo, pois nunca vai aprender direito antes disso.
Eu creio que é possível sim, mas não damos chances o bastante a nós mesmos.

 

Bom, espero que essas dicas ajudem em algo.
Não pense que depois que você aprendeu inglês, acabou.
Isso você usará sempre.
Eu ainda hoje uso essas dicas e continuarei usando.
E isso vale para outros idiomas também, não somente para o inglês.
Escrevi em relação ao inglês pois sempre há pessoas perguntando sobre isso.
Há várias outras dicas e formas de se aprender inglês sozinho.
Apenas disse as que eu acabei desenvolvendo e utilizando.
Para quem desejar ouvir o inglês para aprender, tem também um podcast chamado “Efortless English”, onde o autor concorda com a ideia de que é melhor ouvir bastante o inglês para aprender, do que ler livros e mais livros.
Vale a pena dar uma olhada.

That’s all, folks!
Cya

 

Jamais está só

Você jamais está só, ainda que perceba o silêncio e sinta o frio
ao seu redor, ainda que não veja um braço a te abraçar,
ou uma mão a te tocar, saiba que há alguém que pensa em você
e talvez já passou pela mesma dor.
Se a luz do seu dia se apagar, ou o som da sua vida não mais soar,
ou você simplesmente achar que não tem forças pra decidir
que caminho tomar, saiba que alguém quer te ajudar
e estar sempre ao seu lado pra te acompanhar.
Não deixe de lado o que lhe trouxe até aqui,
com certeza não vale a pena desistir.
Você precisa saber que jamais está só,
e que ainda que a vida pareça um abismo,
alguém do outro lado quer te ajudar a atravessar,
a cruzar, a alcançar o que parecia tão distante.
Você jamais está só.